Engenharia Agronômica: Saiba mais sobre o curso, salário e mercado de trabalho.

agronomia

O engenheiros agrônomo é o profissional responsável por todo o processo de planejamento, orientação e execução dos trabalhos relacionados à produção agropecuária, alimentos de origem animal e vegetal, sua liberação de acordo com as normas sanitárias para a comercialização e consumo, além da manutenção e conservação do meio ambiente.

A Engenharia Agronômica é uma profissão que tem passado por uma valorização e expansão nos últimos anos. O Brasil é uma grande força mundial na produção agrícola e de rebanhos. São milhares de produtores aquecendo a economia brasileira e movimentando bilhões de reais. Em 2015 o Produto Interno Bruto (PIB) do setor cresceu 1,8%, em relação a 2014.  Segundo o coordenador-geral de Estudos e Análises do Ministério da Agricultura, José Gasques, a média anual de crescimento do PIB agropecuário, nos últimos 19 anos, tem sido de 3,6%. Para um ano de crise econômica o percentual de 1,8% é motivo de comemoração!

Todo esse potencial no mercado agronômico é uma grande oportunidade para o profissional da área de agronegócios. Com o crescimento das exigências de qualidade e controle dos produtos no mercado internacional e nacional, ter um engenheiro agronômico envolvimento nos projetos e na produção é indispensável para o sucesso e segurança das empresas no setor.

O que o engenheiro agronômico faz?

agrônomo utiliza seus conhecimentos para planejar e supervisionar a aplicação de princípios e processos básicos da produção agrícola, combinando conhecimentos de biologia, química e física, aos estudos específicos sobre o solo, clima, culturas e rebanhos, envolvendo um campo bem diversificado. Por exemplo, ele estuda e aplica os melhores métodos de adubação para o solo e quais são as melhores opções de produtos para o controle de pragas. Opera também com zootecnia, lidando com a criação de animais ligando o cuidado da saúde, alimentação, vacinação e manejo da criação. Também pode fazer ações para a recuperação da terra e torna-la mais fértil para produzir uma safra com mais qualidade. Há muitos outros exemplos, essa é uma área bem vasta.

As principais especialidades são:

Defesa sanitária: Prevenção de doenças da lavoura e combate às pragas;

Engenharia rural: Supervisão da construção de instalações rurais, como nivelamento do solo, sistemas de irrigação e drenagem;

Fitotecnia: controla o uso de sementes, adubos e agrotóxicos, além da prevenção de doenças e pragas;

Agribusiness: pesquisa e orienta o uso de fertilizantes, agrotóxicos e rações. Acompanha a safra desde o plantio até a venda;

Agroecologia: pesquisa meios de conservar e aumentar a fertilidade dos solos e zelar pela utilização racional da terra, água, flora e fauna;

Zootecnia: cuida da saúde, alimentação, reprodução e adaptação ao meio do rebanho.

shutterstock_380237323

Onde atua? 

Você gosta de trabalhar ao ar livre? Então, essa é a profissão perfeita! De maneira geral o ambiente de trabalho de um engenheiro agronômico é no campo, mas não é obrigatório. Muito profissionais se estabelecem em escritórios gerindo ou assessorando agronegócios, ou em empresas privadas, órgãos governamentais ou, ainda atuando em processos de pesquisa.

Quais as principais características para ser um engenheiro agronômico?

Para exercer essa profissão é preciso ter um perfil curioso, gostar de atividades ao ar livre e que requeiram contato com a terra, animais e a produção agrônoma em geral. Sentir-se atraído pelo mundo rural é muito importante. Também é necessário gostar de matemática e tecnologia. Ter disposição para acompanhar as diversas áreas de atuação, podendo atuar em fazendas e cooperativas, como também em empresas, indústrias e instituições financeiras. A criatividade, curiosidade e comunicação são importantes para a decisão e criação de novos projetos, além da organização e concentração para manter e colocar em práticas as atividades.

O curso no UNASP

O curso de Agronomia dura 10 semestres e possibilita a formação profissional com as competências e habilidades de:

– Projetar, empreender, coordenar, analisar, fiscalizar, assessorar, supervisionar e especificar técnica e economicamente projetos agroindustriais e do agronegócio, aplicando padrões, medidas e controle de qualidade;

– Realizar vistorias, perícias, avaliações, arbitramentos, laudos e pareceres técnicos, com condutas, atitudes e responsabilidade técnica e social, respeitando a fauna e a flora e promovendo a conservação e/ou recuperação da qualidade do solo, do ar e da água, com uso de tecnologias integradas e sustentáveis do ambiente;

– Atuar na organização e gerenciamento empresarial e comunitário interagindo e influenciando nos processos decisórios de agentes e instituições, na gestão de políticas setoriais;

– Gerar tecnologia, condições para implementar, produzir, conservar e comercializar alimentos, fibras e outros produtos agropecuários de modo a preservar os recursos naturais;

– Participar e atuar em todos os segmentos das cadeias produtivas do agronegócio;

– Exercer atividades de docência, pesquisa e extensão no ensino técnico profissional, ensino superior, pesquisa, análise, experimentação, ensaios e divulgação técnica e extensão;

– Enfrentar os desafios das rápidas transformações da sociedade, do mundo, do trabalho, adaptando-se às situações novas e emergentes.

– Compreender as variáveis envolvidas nos sistemas de produção agrícola, que vai da produção familiar à produção não familiar, e contemplar diferentes finalidades quanto à produção que se quer obter e como ela vai ser utilizada;

– Diagnosticar problemas e propor soluções, com auxílio da pesquisa científica, considerando a realidade sócio-econômica e ambiental dos produtores e do espaço analisado;

– Tomar iniciativa técnica e administrativa nas diferentes formas de organização, solucionando dúvidas e problemas do exercício profissional;

– Participar de trabalho em equipe, valorizar a atuação multidisciplinar, capacitando-se para exercer liderança e colaboração com outros profissionais e equipes, ensejando a superação de conflitos;

– Acessar e interpretar informações técnicas e expressar-se de maneira adequada;

– Atuar como gerador e difusor de informações e novas tecnologias, considerando igualmente processos de adequação destas, de modo que beneficiem o conjunto da sociedade;

– Conhecer, criticar, fazer propostas e atuar, posicionando-se em relação às políticas públicas no campo do espaço agrícola e ambiental;

– Posicionar-se em relação aos grandes temas agrícolas e ambientais da realidade brasileira e afetos à profissão de Engenheiro Agrônomo.

Salário do profissional

Salário médio: R$ 6.276
Mínimo declarado: R$ 2.000
Máximo declarado: R$ 13 mil

Quer saber mais?
Acesse o nosso site e saiba mais sobre a profissão e a grade curricular do curso e de Engenharia Agronômica do UNASP. 

Participe do Mutirão de Natal junto com o UNASP!

ppt-muritao-950x535

O Mutirão de Natal é um projeto social da Igreja Adventista do Sétimo Dia que busca, através de doações, prover uma ceia de Natal digna para pessoas que vivem na pobreza e que nesta data não possuem nem mesmo o básico para a sobrevivência: um prato de comida. A ideia é muito simples, arrecadar alimentos não perecíveis e distribuir em instituições e em comunidades carentes.

Além de alimentos, o Mutirão de Natal faz a arrecadação e distribuição de roupas, calçados e brinquedos para crianças. Ainda, motiva seus participantes e colaboradores a doarem sangue e medula óssea que são vida para muitas pessoas enfermas, e os mobiliza para implementarem outros projetos sociais de desenvolvimento comunitário.

Como posso participar?

As igrejas dos campi UNASP estão divulgando e atuando na campanha do Mutirão de Natal. Quer participar também? Então, procure o(a) Coordenador(a) do projeto em sua igreja e ele(a) dará orientações sobre em qual equipe você poderá se integrar. O (a) líder da equipe poderá informar qual é a melhor maneira para você participar.

Procure a equipe no seu campus.

Campus SP

Telefone: (11) 2128-6810

E-mail: cely.ferraz@unasp.edu.br

Campus HT

Telefone: (19) 3897-5000

E-mail: igreja.iasp@outlook.com

Campus EC

Contato através de formulário, acesse aqui.

Não sou adventista, e agora?

Você não precisa ser membro da igreja adventista para fazer parte deste projeto. Você pode participar de diversas maneiras, ajudando através de doações, participando como membro de equipe e também formando equipes. Não importa sua crença, o Mutirão de Natal é uma ação para promover amor ao nosso próximo. Será uma alegria ter você com a gente!

Mais informações?

Acesse o site oficial do Mutirão de Natal clicando aqui.


Vamos, juntos, compartilhar a principal razão de O Mutirão de Natal existir, compartilhar o amor. Estamos esperando por você!

 

fonte: Ação Solidária Adventista  

Processo Seletivo Nacional 2017 – Orientações para Matrícula

shutterstock_15901009

Vejas as orientações para fazer sua matrícula no UNASP!

Onde faço a minha matrícula?

A matrícula será realizada no campus onde o curso é oferecido.

Quais são as datas oficiais do Processo Seletivo?

17/10

 Divulgação do GABARITO*

03/11

 Publicação dos Resultados (Exceto Teologia) *

03/11 a 08/11

 MATRÍCULA DOS CLASSIFICADOS (Exceto Teologia)

09 e 10/11

 MATRÍCULA DOS EXCEDENTES (Exceto Teologia)

10/11

 Publicação dos Resultados – Teologia

27/11

 TEOLOGIA: Exame do Livro Nisto Cremos (10h) ** e Entrevista (14h) ** – SOMENTE NO CAMPUS EC, para os 200 primeiros classificados na primeira fase.

06/02/2017

Início do ano letivo

Quais são os documentos necessários para efetuar a matrícula?

I

 Cédula de Identidade (RG) do(a) Candidato(a) e do Responsável Financeiro – 1 xerox de cada (Responsável financeiro não pode ter menos de 18 anos)

II

 Certidão de Nascimento ou Casamento – 1 xerox

III

 CPF do(a) Candidato(a) e do Responsável Financeiro – 1 xerox de cada (Responsável financeiro não pode ter menos de 18 anos)

IV

 Comprovante de Residência – 1 xerox (Deve estar em nome do(a) candidato(a) ou no nome de um dos pais)

V

 Histórico Escolar do Ensino Médio – 1 xerox

VI

 Certificado de Conclusão do Ensino Médio (ou Declaração de Matrícula com data prevista para conclusão do curso de Ensino Médio) – 1 xerox

VII

 CANDIDATOS AOS CURSOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA:

Atestado Médico de Capacitação Física para a Prática de Exercícios

VIII

 ESTRANGEIROS: RNE e Passaporte com Visto de Estudante; Equivalência de Estudos do Ensino Médio (emitido pelas Diretorias de Ensino e pelos Consulados Brasileiros); Histórico do Ensino Fundamental e Médio com carimbo do Consulado.

Prestei o vestibular para um curso, mas quero trocar a minha opção. Posso?

O candidato poderá, no momento da matrícula, solicitar matrícula em curso diferente daquele que optou na inscrição do Processo Seletivo, desde que todos os candidatos classificados para o curso desejado já tenham sido chamados e ainda existam vagas.

Quero fazer o aproveitamento de algumas disciplinas, como faço?

Os candidatos que pretendem conseguir aproveitamento de disciplinas anteriormente cursadas em Instituição de Educação Superior deverão protocolar o pedido junto à Secretaria Acadêmica, até o dia 02/01/2017, entregando Histórico atualizado do Curso Superior e Planos de Ensino das disciplinas cursadas.

Vou morar no internato, onde posso ter mais informações?

O candidato que tiver interesse em residir no campus, deve entrar em contato com a Diretoria de Desenvolvimento Estudantil para verificar a existência de vaga e efetuar os procedimentos necessários.

Posso fazer dois cursos ao mesmo tempo?

O candidato que desejar fazer mais de um curso simultaneamente, sendo aprovado, deverá matricular-se no curso escolhido nesta etapa, participar da próxima etapa e, sendo aprovado, matricular-se no outro curso pretendido.

OUTRAS INFORMAÇÕES

• UNASP Campus EC (19) 3858-9000 – secretariaacademica.ec@unasp.edu.br

• UNASP Campus HT/Faculdade Adventista de Hortolândia (19) 2118-8000 – secretariaacademica.ht@unasp.edu.br

• UNASP Campus SP (11) 2128-6000 – secretariaacademica.sp@unasp.edu.br

IMPORTANTE!!!

Somente estará matriculado o candidato que:

a) Pagar a primeira parcela (incluindo o pensionato quando for o caso);

b) Assinar o Contrato e o Requerimento;

c) Apresentar os documentos solicitados.

Estude para o Vestibular Unasp: Proposta de Redação V

r5

Vamos praticar redação? Veja os temas que caíram no Vestibular Unasp de 2011.

Leia também:

– Proposta de redação I

– Proposta de redação II

– Proposta de redação III

– Proposta de redação IV 

Observações:

• Leia as duas propostas e escolha uma delas;

• Lembrese de que a produção de seu texto dissertativo argumentativo requer o uso da língua escrita culta eque dissertar é expor ideias de modo claro e coerente. Portanto, suas conclusões devem decorrer daargumentação que você tiver apresentado;

• Seu texto deverá ter, pelo menos;

• Dê um título ao seu texto.

PROPOSTA A: TRABALHO – BENÇÃO OU ESCRAVIDÃO


Os dois textos que você vai ler apresentam diferentes visões a respeito do trabalho. O primeiro 
aponta‐o como elemento de humanização, sendo que através dele o homem desenvolve suas habilidades, sua imaginação, atingindo, assim, sua própria liberdade. No segundo texto ele surge como elemento de submissão, pois é abordado o aspecto cruel do trabalho no mundo contemporâneo, contrariando as expectativas de que a tecnologia proporcionaria ao homem maior tempo de lazer. Relacione esses textos e, com base nas ideias neles contidas, além de outras que você julgar relevantes, redija uma dissertação.


TEXTO 1

A VISÃO FILOSÓFICA SOBRE O TRABALHO1

Pelo trabalho, o homem transforma a natureza. Essa atividade se distingue da ação animal porque 
é dirigida por um projeto (antecipação da ação pelo pensamento) e, portanto, é deliberada, intencional. Pelo trabalho, é estabelecida uma relação dialética entre a teoria e a prática: o projeto orienta a ação e esta altera o projeto, que de novo altera a ação, fazendo com que haja evolução dos processos empregados; o que gera um processo histórico. Além disso, para que esse distanciamento da ação seja possível, é preciso que o homem tenha a linguagem, pela qual representa o mundo (torna presente no pensamento o que está ausente) e comunica‐se com o outro. O trabalho se realiza, então, e sobretudo, como atividade coletiva. 
Mas o trabalho, além de transformar a natureza, humanizando‐a, além de proceder à “comunhão” (à união) dos homens, transforma o próprio homem. “Todo trabalho trabalha para fazer um homem ao mesmo tempo que uma coisa”, disse Mounier. Isto significa que pelo trabalho o homem se autoproduz, desenvolve as suas habilidades, a imaginação; aprende a conhecer as forças da natureza e a desafiá‐las; aprende a conhecer suas próprias forças e limitações; relaciona‐se com os companheiros e vive os afetos de toda relação; impõe‐se uma disciplina. O homem não é sempre o mesmo, pois o trabalho altera a visão que ele tem do mundo e de si mesmo. 
E se, num primeiro momento, a natureza se apresenta aos homens como destino, será o trabalho a condição da superação dos determinismos: essa transcendência é propriamente a liberdade. Por isso, a liberdade não é alguma coisa que é dada ao homem, mas é o resultado da sua ação transformadora sobre o mundo, segundo seus projetos.


1 1o ano do Ensino Médio, Colégio Eduardo Gomes, Disponível em http://www.egemfoco.com.br/VISAO_FILOSOFICA_TRABALHO/ A%20visao%20filosofica%20sobre%20o%20trabalho.pdf, . Acesso em: 10 jul. 2009 


TEXTO 2

No filme, Tempos Modernos, Chaplin faz uma crítica à visão taylorista do trabalho nas indústrias, processo de racionalização que reduz o homem ao papel de engrenagem.

A fragmentação do trabalho conduz a uma fragmentação do saber, pois o trabalhador perde a noção de conjunto do processo produtivo. Não há envolvimento afetivo ou intelectual com o trabalho e a relação torna‐se fria, monótona e apática. A produção deve satisfazer as necessidades do mercado e não do trabalhador. Marx observou que produção é ao mesmo tempo consumo, pois quando o trabalhador produz algo, além de consumir matéria prima e os próprios instrumentos de produção, que se desgastam ao serem utilizados, ele também consome as suas forças vitais nesse trabalho.

(www.logoscolegio.com.br /adm/download.asp?arquivo ‐ Similares)

PROPOSTA B: BENEFÍCIOS DA LEITURA

Levando em conta os textos abaixo, redija uma dissertação argumentando a respeito das ideias neles contidas e também sobre outros pontos que considere pertinentes em relação à leitura como atividade compensadora que produz saber linguístico, ordena os pensamentos e estimula a imaginação criadora num contínuo processo de aprendizagem.

TEXTO 1


“Era um bruto, sim senhor; nunca havia aprendido, não sabia explicar‐se(…)Nunca vira uma escola.

Por isso não conseguia defender‐se, botar as coisas nos seus lugares.(…) Se lhe tivessem dado ensino, encontraria meio de entendê‐la. Impossível, só sabia lidar com bichos.”

(Vidas Secas, Graciliano Ramos)

TEXTO 2


“Quando as pessoas não sabem falar ou escrever adequadamente sua língua, surgem homens decididos a falar e escrever por elas e não para elas.”

(Wendel Johnson)

Estude para o Vestibular Unasp: Proposta de redação Unasp IV

r4

Vamos praticar redação? Veja os temas que caíram no Vestibular Unasp de 2012.

Leia também:

– Proposta de redação II

– Proposta de redação III

– Proposta de redação V 

Observações:

• Leia as duas propostas e escolha uma delas;

• Lembrese de que a produção de seu texto dissertativo argumentativo requer o uso da língua escrita culta eque dissertar é expor ideias de modo claro e coerente. Portanto, suas conclusões devem decorrer daargumentação que você tiver apresentado;

• Seu texto deverá ter, pelo menos;

• Dê um título ao seu texto.


PROPOSTA A: Manifestações violentas são formas válidas de protesto?

Com base nos textos de apoio e as informações que você possui sobre o assunto, faça um texto dissertativo‐argumentativo que responda a seguinte questão: Manifestações violentas são formas válidas de protesto?

Texto 1

Neste ano de 2011, o mundo assistiu perplexo a uma onda de manifestações violentas que envolveu diferentes países. Na Espanha, jovens protestaram contra a visita do Papa Bento XVI; no Chile, estudantes revoltados deixaram um rastro de destruição ao exigirem que o governo proíba o lucro em entidades de ensino; na Grécia, país afetado pela crise mundial, cidadãos recorreram à violência para exigir do governo medidas urgentes em relação à economia; outros países, como a Líbia e o Egito, também sentiram o gosto amargo da insatisfação popular. No entanto, o quadro de violência que mais chamou atenção neste ano foi o ocorrido na Inglaterra, onde sete cidades foram saqueadas por grupos que atacaram lojas, depósitos, bairros ricos e pobres. Diante desse panorama surge a pergunta: manifestações violentas são formas válidas de protesto? 
“A anarquia (na Inglaterra) teve início depois da morte de Mark Duggan, de 29 anos, em uma abordagem da polícia em Tottenham, bairro de casinhas desoladas e gangues desaforadas na zona norte de Londres. Duggan era traficante e andava armado, uma raridade na Inglaterra, mas logo correu o boato de execução à queima‐roupa, levando parentes, amigos e desocupados a fazer um protesto em frente à delegacia local. A manifestação rapidamente degenerou em quebra‐quebra. […] Saques, incêndios e ataques a cidadãos desprotegidos multiplicaram‐se.”


(TEIXEIRA, D. A cidade dos ladrões. Veja, São Paulo, p. 99‐101, 17 de agosto de 2011)

Texto 2

“As barras de ferro, a agressividade da postura e os rostos cobertos comprovam: os sujeitos na foto acima podem ser tudo, menos estudantes praticando o rito de passagem universalmente garantido de protestar contra o que quer que seja. Por causa da avassaladora onda de saques na Inglaterra, o quebra‐quebra no Chile passou despercebido – na verdade, as imagens confundiram‐se tanto pela violência quanto pela semelhança no modo de vestir de seus protagonistas, numa demonstração de que o figurino anarquista – moletons com capuz, bandanas ocultando o rosto e tênis da marca da deusa da 
vitória – é a mais poderosa tendência de moda entre a juventude politicamente transviada. Protestos estudantis são uma vistosa constante no Chile pela capacidade de mobilização e pela imaterialidade das reivindicações.”

(GRYZINSKI, V. A epidemia dos capuzes. Veja, São Paulo, p. 61, 17 de agosto de 2011)

 

PROPOSTA B: Como encontrar a felicidade no mundo contemporâneo?

Levando em consideração os textos acima e a sua experiência de vida, escreva uma dissertação em prosa com o seguinte tema: Como encontrar a felicidade no mundo contemporâneo?

Texto 1

Essa pergunta retórica já se tornou clichê em nossos dias, talvez porque até hoje muitos não encontrou‐se a resposta, ou pela complexidade que envolve tal tema, ou paradoxalmente, pela simplicidade do assunto. O fato é que no mundo contemporâneo, envolto em tecnologias, dominado pela comunicação rápida, absorto pela facilidade de respostas que a internet traz, pelas comidas prontas, pelos comprimidos para dormir, acordar, emagrecer, engordar, ainda não encontramos a felicidade numa caixinha na prateleira de um supermercado 24 horas. As invenções surgem, as tecnologias avançam, mas a essência do ser humano continua a mesma, com o mesmo vazio, com a mesma busca que leva novamente à incansável questão: Como encontrar a felicidade?

“Se eu quero todas as cores, todas as marcas, todos os carros, todos os homens ricos ou mulheres […], preparo a minha frustração. Está decretada a dificuldade de ser feliz.”

(LUFT, L. Felicidade. Veja, São Paulo, p.24, 17 de agosto de 2011)

Texto 2

“Uma boa rima para felicidade pode ser simplicidade. Ainda tenho projetos, sempre tive bons afetos. O que mais devo querer? A pele imaculada, o corpo perfeito, a bolsa cheia, a bolsa ou a vida? Acho que, pensando bem, com altos e baixos, dores e amores, e cores e sombras, eu ainda prefiro a vida.”

(LUFT, L. Felicidade. Veja, São Paulo, p.24, 17 de agosto de 2011)

O que vem a ser felicidade

O que vem a ser felicidade
Toda explicação perde o valor…
É tão claro e simples que é verdade Quando alguém diz que invade
A fronteira do amor. […]

Como tudo é tão diferente!
O ciúme, a dor,
O amor, a paixão…
Mas a felicidade é tudo junto, Todo o tempo num segundo Não explicaria nem se a flor Viesse antes do botão

Esse sentimento poderoso
É estado, é capital, é um país
E o que há de mais maravilhoso É descobrir que, o tempo inteiro Estava a um palmo do nariz

E, todo o percurso transcorrido, Leva‐nos a ser contidos
Quando tudo é explosão
Porque a felicidade é um rio denso E precisa de silêncio

Pra falar ao coração

(Letra e música de Orlando Moraes)

 

Estude para o Vestibular Unasp: Proposta de redação III

r3r3

Vamos praticar redação? Veja os temas que caíram no Vestibular Unasp de 2013.

Leia também:

– Proposta de redação II

– Proposta de redação IV

– Proposta de redação V 

Observações:

• Leia as duas propostas e escolha uma delas;

• Lembrese de que a produção de seu texto dissertativo argumentativo requer o uso da língua escrita culta eque dissertar é expor ideias de modo claro e coerente. Portanto, suas conclusões devem decorrer daargumentação que você tiver apresentado;

• Seu texto deverá ter, pelo menos;

• Dê um título ao seu texto.


PROPOSTA A: Projeto de Lei no 8.069

Levando em conta a leitura dos textos A, B, C, D e E a seguir, escreva um texto dissertativo argumentativo, em que você se posicione sobre a propriedade ou não do Projeto de Lei n0 8.069, justificando sua posição com bons argumentos.

Texto 1 ‐ Projeto de Lei

O CONGRESSO NACIONAL decreta: 
Art. 1o ‐ A Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, passa a vigorar acrescida dos seguintes artigos: 
“Art. 17‐A. A criança e o adolescente têm o direito de serem educados e cuidados pelos pais, pelos integrantes da família ampliada, pelos responsáveis ou por qualquer pessoa encarregada de cuidar, tratar, educar ou vigiar, sem o uso de castigo corporal ou de tratamento cruel ou degradante, como formas de correção, disciplina, educação, ou qualquer outro pretexto. 
Parágrafo único. Para os efeitos desta Lei, considera‐se:
I ‐ castigo corporal: ação de natureza disciplinar ou punitiva com o uso da força física que resulte em dor ou lesão à criança ou adolescente.
II ‐ tratamento cruel ou degradante: conduta que humilhe, ameace gravemente ou ridicularize a criança ou o adolescente. 
Art. 17‐B. Os pais, integrantes da família ampliada, responsáveis ou qualquer outra pessoa encarregada de cuidar, tratar, educar ou vigiar crianças e adolescentes que utilizarem castigo corporal ou tratamento cruel ou degradante como formas de correção, disciplina, educação, ou a qualquer outro pretexto estarão sujeitos às medidas previstas no art. 129, incisos I, III, IV, VI e VII, desta Lei, sem prejuízo de outras sanções cabíveis.” (NR)

(http://www.camara.gov.br/sileg/integras/790543.pdf, acesso 20/10/12)

Texto 2

charge

Texto 3

“A criança tem que aprender limites, e palmadas podem fazer valer a diferença para que ela não adquira um comportamento reprovável, diferentemente de tratamento cruel ou desumano, para os quais já existem leis.

Aprovada esta lei, estaremos criando uma geração sem freios. Os pais não terão qualquer autoridade. Absurda a possibilidade de punir pai ou mãe com ‘afastamento do lar’ que reincida numa palmada em filho que não queira fazer o dever de casa ou tomar banho.

Cogita‐se ainda criar o 0800 jovem para que filhos denunciem pais. O jovem viciado que não consiga dinheiro deles para comprar drogas pode fazer uso da falsa denúncia para vingar‐se. O pai que hoje não der palmada no filho rebelde provavelmente amanhã levará dele um tapa na cara. Em nome da família, é que mais uma vez me insurjo contra uma proposta do governo.”

(http://familiabolsonaro.blogspot.com.br/ 2011/12/novo‐capitulo‐do‐projeto‐de‐lei‐das.html, acesso 20/10/12)

Texto 4

“O que retém a vara aborrece a seu filho, mas o que o ama, cedo o disciplina” (Bíblia Sagrada, ARA)

Texto 5

“(Pais) devem corrigir seus filhos com amor. Não permitam que sigam seu próprio caminho até que estejam irados e então os castiguem. Tal correção só ajuda o mal em vez de remediá‐lo. Irar‐se com a criança que erra é aumentar o mal. (…) Quando forem obrigados a corrigir um filho, não elevem a voz em tom alto. Não percam o domínio próprio. O pai que, ao corrigir o filho, entrega‐se à ira, está mais em falta do que a criança. (… ) A vara pode ser necessária quando falharem outros recursos, contudo não se deve fazer uso dela, se for possível evitar. Mas, se medidas mais brandas se mostrarem insuficientes, deve administrar‐se com amor o castigo que levará a criança à compreensão de seus deveres. (…) Nunca deem em seus filhos uma pancada com ira, a menos que desejem que aprendam a lutar e contender.”

(White, Ellen G., Orientação da criança, p. 245‐252 ‐ adaptado)

 

PROPOSTA B: O hoje e o amanhã

Com base na análise dos textos A, B, C e D abaixo, escreva um texto dissertativo argumentativo.

Texto 1 ‐ Se Me Quiserem Amar

Se me quiserem amar, terá de ser agora: depois, estarei cansada. Minha vida foi feita de parceria com a morte: pertenço um pouco a cada uma, para mim sobrou quase nada. Ponho a máscara do dia, um rosto cômodo e fixo: assim garanto a minha sobrevida. Se me quiserem amar, terá de ser hoje: amanhã, estarei mudada.

(http://lica.spaceblog.com.br/1519041/Se‐Me‐Quiserem‐Amar/, acesso 20/10/12)

Texto 2

“Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol. (…) Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze‐o conforme as tuas forças, porque no além, para onde tu vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem sabedoria alguma”

(Eclesiastes 9: 5, 6, 10, Bíblia Sagrada, ARA)

Texto 3

“Não deixes para amanhã o que podes fazer hoje”

(Provérbio português, em http://proverbios.aborla.net/, acesso 20/10/12)

Texto 4

“Mas a frase que mais tocou a plateia estarrecida foi esta: Mesmo doando toda a minha fortuna, disse o empresário, continuará a existir uma enorme injustiça social no mundo. Eu terei tido um privilégio que muitos não terão. O privilégio de ter feito uma diferença com o meu trabalho e minha vida. (…) O segredo da felicidade, portanto, não é ganhar dinheiro, que a maioria acabará perdendo de uma forma ou de outra. O segredo é ter feito uma diferença.”

(http://www.kanitz.com/veja/diferenca.asp, acesso 20/10/12)

Estude para o Vestibular Unasp: Proposta de redação II

r2

Vamos praticar redação? Veja os temas que caíram no Vestibular Unasp de 2014.

Leia também:

– Proposta de redação I

– Proposta de redação III

– Proposta de redação IV 

Observações:

• Leia as duas propostas e escolha uma delas;

• Lembrese de que a produção de seu texto dissertativo argumentativo requer o uso da língua escrita culta eque dissertar é expor ideias de modo claro e coerente. Portanto, suas conclusões devem decorrer daargumentação que você tiver apresentado;

• Seu texto deverá ter, pelo menos;

• Dê um título ao seu texto.


PROPOSTA A: Redes Sociais: entre a obrigação e a opção

Com base nos textos a seguir e em seu repertório, elabore um texto que apresente argumentos para a seguinte questão: “As redes sociais, ao mesmo tempo que possibilitam novas formas de relacionamentos, restringem as formas tradicionais de relações sociais.”

Texto 1

“O vício em redes sociais é uma realidade e tem impactos impossíveis de ignorar… Um dos primeiros estudos a revelar a força dessa nova dependência de forma inconteste foi apresentado em fevereiro pela Universidade de Chicago. Os pesquisadores concluíram, para espanto geral, que resistir às tentações do Facebook e do Twitter é mais difícil do que dizer não ao álcool e ao cigarro. O vício em redes sociais, portanto, é forte como o da dependência química. O viciado em Facebook necessita se expor e ler as confissões de amigos com cada vez mais frequência para saciar sua curiosidade e narcisismo. Atualmente, a atenção em torno desse assunto é tamanha que já há setores defendendo a inclusão da dependência por redes sociais na nova edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais.”

(Revista ISTOÉ – 9/mai/2012) 


Texto 2

“São vários os motivos que ensejam a participação de uma pessoa nas “redes sociais”: socialização, entretenimento, negócios, divulgação de pensamentos, projetos e eventos, visibilidade, etc.
O mundo empresarial descobriu nas mídias sociais uma nova e eficaz forma de se relacionar com o público consumidor. A imagem da organização ganha força na utilização das redes sociais. É incontestável como esse tipo de comunicação influencia na decisão de compra dos internautas. Os negócios são realizados com maior rapidez. Portanto, as redes sociais trouxeram para as empresas uma alternativa de divulgação dos seus produtos e comunicação com sua clientela bem mais eficaz e a custo bem menor do que nas chamadas mídias tradicionais. 
As informações circulam em tempo real. A interação entre as pessoas se faz com muito maior abrangência. Amigos distantes se reaproximam. A troca de ideias potencializa a importância das redes sociais nas nossas vidas. Os relacionamentos se multiplicam. Alargam‐se os campos de pesquisas. Não há necessidade de deslocamentos físicos para que se possa usufruir momentos de lazer. São espaços de debate social.”

(Disponível em http://www.wscom.com.br/blog/rui_leitao/post/post/++REDES+SOCIAIS%3A++BENEF%C3%8DCIOS+E+RISCOS‐7248, acesso em 06/10/2013) 


 

PROPOSTA B: Os efeitos da covardia e da coragem sobre a sociedade

Na coletânea a seguir você encontrará alguns textos sobre coragem e covardia. Leia‐os e exponha sua opinião sobre o tema. Queremos saber sua opinião sobre os efeitos da covardia e da coragem sobre a sociedade. Não se trata, aqui, de coragem física, de valentia, mas sim de coragem ética: assumir os erros, pedir ajuda, responsabilizar‐ se pelos próprios atos, tomar decisões em situações tensas.

Texto 1

Suba a bordo!
A discussão furiosa e indignada entre o comandante Gregorio De Falco, da Capitania dos Portos de Livorno, e o capitão do navio Costa Concordia, Francesco Schettino, que deixou o navio antes da retirada de milhares de pessoas, foi escutada na terça‐feira por toda a Itália, que elevou o primeiro à categoria de herói.
O diálogo entre o capitão, de 52 anos, que fugia do acidente por volta das 23h30 local em um bote salva‐vidas e o comandante de Livorno, de 46 anos, que, imperiosa e taxativamente, ordenava seu retorno ao navio para socorrer milhares de homens, mulheres e crianças ocorreu à 1h46.
No entanto, Schettino, que afirmava o tempo todo estar no comando da embarcação, embora depoimentos de um cozinheiro o situavam em um bar esperando uma bebida ao lado de uma mulher, não voltou ao cruzeiro, onde até as 3h da madrugada houve passageiros sendo resgatados.
(UOL Notícias)

Texto 2

Coragem e covardia
Entre os vários comportamentos tidos como importantes para a atuação profissional, a coragem é um dos menos citados. O que é uma pena porque atitudes covardes ainda são comuns nas empresas e acabam por comprometer as relações e os resultados organizacionais. Dentre os inúmeros sintomas de covardia empresarial, os mais comuns são: negar um erro, ou pior, atribuí‐lo à outra pessoa (…); fugir de decisões (…).


[Administradores.com.br]

Texto 3

Dois filósofos, um apóstolo e um rapper:

“Ver o bem e não fazê‐lo é sinal de covardia.” (Confúcio)
“A covardia é a mãe da crueldade.”
(Michel de Montaigne)

“Portanto, aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz, nisso está pecando”. (Tiago 4:17)

Minha Alma (O Rappa)
A minha alma está armada e apontada para a cara do sossego
pois paz sem voz
não é paz é medo

(Disponível em http://letras.mus.br/o‐rappa/28945/, acesso em 06/10/2013)

Texto 4

A covardia do capitão do navio Costa Concordia provocou indignação nas pessoas ao redor do mundo. Ele abandonou o navio, que estava afundando com mais de 4.000 pessoas a bordo. Mas esse mesmo episódio fez nascer um herói nas mídias sociais: o comandante Gregorio De Falco, da Capitania dos Portos de Livorno, que, muito exaltado, ordenou a volta a bordo do capitão. Às vezes, com medo de sofrer as consequências dos próprios atos, muitos se acovardam. Há um dito popular que alimenta esse pensamento: melhor um covarde vivo que um herói morto.

(Disponível em http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/lista/os‐efeitos‐da‐covardia‐e‐da‐coragem‐sobre‐a‐sociedade.jhtm, acesso em 06/10/2013 – adaptado)

 

Estude para o vestibular Unasp: Proposta de redação I

i

Para ajudar você, que vai prestar o vestibular do Unasp, nossa equipe do Processo Seletivo está liberando os temas das redações das provas dos últimos cinco anos! A partir de hoje todos os dias você pode acessar nosso blog para conferir os temas.

Preparados? Vamos estudar!

Os temas de hoje foram exigidos no exame de 2015. 

Leia também:

– Proposta de redação II

– Proposta de redação III

– Proposta de redação IV

Observações:

• Leia as duas propostas e escolha uma delas;

• Lembrese de que a produção de seu texto dissertativo argumentativo requer o uso da língua escrita culta eque dissertar é expor ideias de modo claro e coerente. Portanto, suas conclusões devem decorrer daargumentação que você tiver apresentado;

• Seu texto deverá ter, pelo menos;

• Dê um título ao seu texto.


PROPOSTA A: Gentileza e Simpatia

Texto 1

Há, nas sociedades contemporâneas em geral, um abandono das formas de boa convivência. É como se a gentileza tivesse sido banida dos arranjos sociais. Basta observar as pessoas no trânsito: é uma guerra constante entre motoristas, pedestres e autoridades fiscalizadoras. Nas trocas comerciais, é semelhante: quando é que somos bem tratados? E em repartições públicas? Parece que toda vez temos que implorar por bom atendimento. Isso é um reflexo da perda de algo fundamental para o bom andamento de uma sociedade: a necessidade da gentileza, do cuidado e da atenção com o outro.

Tiago Boldariniy

Texto 2

O que é ser gentil e simpático pra você? Qual a importância da gentileza e da simpatia na sociedade? Gentileza e simpatia ainda existem? Como?

Pergunta postada no YahooBrasilRespostas, acesso em 09/2010 (adaptado)

 

PROPOSTA B: Fofoca

Texto 1

A fofoca tem muitas caras. Uma delas consiste em espalharmos o que não é verdade, o que é apenas um boato; outra, em passarmos adiante a verdade a nós confiada de modo confidencial. (…) Podemos fugir de ambas as situações. Quando recortamos a verdade contada em sigilo e a colamos em outra moldura, em outro contexto, furtamos da verdade suas condições de produção originais e o que era um ato de confissão e de grandeza pode se transformar numa arma de acusação e depreciação. Já não é mais a verdade.

O educador e a fofoca virtual, J C Perez

Texto 2

Caros leitores, a fofoca não tem compaixão. Ou melhor, os fofoqueiros não têm piedade. Eles têm é inveja. E ela não deixa espaço à razão, à compaixão pelo outro. A fofoca mobiliza forças irracionais, geralmente está acompanhada pela infelicidade, pela raiva ou angústia. Se eu não estou feliz, a culpa é do outro, pensa o fofoqueiro. Os indivíduos tomados pela fofoca ou inveja, perturbam a vida e o trabalho dos colegas. Difamam, bisbilhotam outras pessoas. Paradoxalmente, têm medo da responsabilidade e da liberdade.

Luciana Andrade

Simulado Vestibular Unasp: Matemática

2

Teste seus conhecimentos e aproveite para estudar para o Vestibular Unasp! Faça agora o simulado, avalie suas respostas e pratique 😉

Vamos começar?

Simulado Vestibular Unasp: Língua Portuguesa

teste-4

Teste seus conhecimentos e aproveite para estudar para o Vestibular Unasp! Faça agora o simulado, avalie suas respostas e pratique 😉

Vamos começar?