UNASP a Favor do Meio Ambiente

environment-1-612x336

O primeiro semestre de 2015 foi marcado por um fato histórico para o Centro Universitário Adventista de São Paulo, com a realização da primeira reunião da Comissão de Monitoramento Ambiental (Comam).

Os objetivos dessa reunião foram em apresentar a Filosofia e Política do Meio Ambiente do UNASP, o contexto atual e os parâmetros de uma instituição responsável ambientalmente, dando início ao Plano Operacional da Comissão.

“A questão ambiental no ponto de vista da nossa instituição, remete uma visão da Igreja Adventista. É importante que compreendamos isso, pois do contrário estaríamos fazendo um movimento cuja a atuação e as realizações poderiam remeter para um caminho ou por uma ideia equivocada a respeito em lidar com as questões de ordem ambiental. Com isso, acredito que seja muito importante embasar-se pela visão filosófica que temos”, diz Euler P. Bahia, Reitor do UNASP.

O Reitor ainda deixa claro que quando Deus criou a terra, a criou perfeita. Não havia conflitos decorrentes de consumo e manejo desordenado, mas “a partir da concepção de que essa perfeição foi quebrada, Deus conferiu aos seres humanos a responsabilidade de serem administradores do planeta”.

O UNASP assume o compromisso em expor para as pessoas, de que pratica uma administração ambiental responsável, e não uma administração egoísta de apenas querer extrair, consumir, gastar e danificar o bem próprio.  A visão que a Bíblia apresenta, mostra que a sobrevivência da vida nesse planeta vai depender de uma gestão correta, equilibrada e inteligência no manejo de todos os serviços. “Outro aspecto que a Bíblia nos apresenta é que, embora o ser humano tenha essa capacidade e responsabilidade de administrar, cabe a ele respeitar a diversidade da vida. Então, não quer dizer que pelo fato do homem ser inteligente e capaz de dominar, que isso signifique meramente exploração e até mesmo um desrespeitar a adversidade da vida”, conclui Euler.

ecoUNASP

banner comprido-eco

Composta por representantes de cada campi, a instituição lançou a campanha do ecoUNASP.

Quanto tempo você gasta no banho? Quanto alimento sobra no seu prato? Você apaga a luz de um ambiente quando necessário? Recicla o lixo? Cuida com carinho do seu animal de estimação? O ecoUNASP é o que fará você lembrar todos os dias a importância de fazer boas escolhas e melhorar o relacionamento com o meio ambiente.

O objetivo é conscientizar o maior número de pessoas possível quanto aos benefícios de manter uma boa relação com o meio ambiente por meio de pequenas ações praticadas no dia a dia.

Por isso o UNASP quer estimular você a mudar de postura, eliminar o desperdício e minimizar o impacto no planeta. Afinal de contas, os recursos naturais que estão a nossa disposição são limitados e temos a responsabilidade de preservá-los.

Filosofia Ambiental do UNASP

A IASD, mantenedora do UNASP, tem como uma das doutrinas fundamentais a crença em Deus como Criador e Mantenedor do Universo. Assim, entende que o planeta Terra é uma obra divina.  Acredita que a Terra foi planejada como a morada do ser humano de forma integrada com todas as demais criaturas vivas. No plano original de Deus, como expresso no relato do Gênesis, a Criação era perfeita, o que implica em uma harmonia entre todas as criaturas. Infelizmente, esse quadro se alterou pela entrada do Pecado, ocorrendo então uma alteração no modo que ocorrem as interações entre os seres vivos. Mesmo assim, a Criação manifesta ainda que de forma imperfeita e limitada uma complexidade que indica sua origem divina. Dentro do plano de Criação da Terra, Deus conferiu ao homem uma posição central, pois é a única criatura descrita como sendo formada a “imagem e semelhança de Deus”. Assim, o homem recebeu uma responsabilidade de ser um administrador da Criação divina.
A forma como o homem tem administrado os recursos disponíveis na Terra tem evidenciado que esse ordenamento foi perdido, de forma que os recursos disponibilizados por Deus para o uso do ser humano, em respeito a Sua Criação não tem ocorrido. A exploração intensa, a destruição de diversos ecossistemas, a produção de inúmeros resíduos agressivos ao ambiente (poluição) são algumas evidências desse desrespeito ao ordenamento divino ao ser humano.  Esses problemas, normalmente, conhecidos como problemas ambientais são consequência de uma interpretação egoísta e mesquinha do ser humano, que tem visto como tendo direitos naturais, em relação a aquilo que ele recebeu como concessão divina. Diante desse quadro é fundamental descrever as implicações do que é esperado do UNASP, como instituição adventista, em relação às questões ditas ambientais.

Em primeiro lugar é esperado o reconhecimento de que o ser humano deve se reconhecer como um humilde servo de Deus.  É necessário relembrar que ao usar os recursos naturais, eles são dons concedidos por Deus para que a vida humana seja desenvolva de forma satisfatória, mas não apenas a de alguns, mas a todos os seres humanos. Considerar a finitude desses recursos e, portanto, cuidar deles para garantir as sobrevivências da vida humana é um imperativo para todo habitante do planeta.

Em segundo lugar é fundamental, que o uso de cada recurso seja planejado de modo a respeitar a diversidade da Criação divina. O fato de o ser humano ocupar um lugar de destaque na Criação, não lhe dá o direito de não reconhecer os outros seres vivos como criaturas divinas. Assim, no lidar com as demais criaturas não é aceitável desconsiderar a sensibilidade à dor e usá-los de forma absolutamente egoística. É necessário ter em mente a teia complexa de relações da vida para que se possa agir de forma responsável.

Em terceiro lugar é indispensável prever no uso dos recursos naturais os problemas dos resíduos produzidos. Dentro da própria natureza da Criação, em várias atividades da vida há produção de resíduos. Esse tipo de situação também pode ser observado em atividades de manufaturas feitas pelos seres humanos. Assim, é fundamental, que sejam planejados o tratamento adequados desses resíduos de forma a garantir a preservação dos recursos criados por Deus, para que os ciclos de restauração possam se manter e garantir a continuidade da vida criada por Deus. A manutenção de um ambiente “limpo” nos mais diversos sentidos deve ser visto como uma evidência de uma compreensão do funcionamento da Criação.

Em quarto lugar é necessário que exista sempre uma visão de que o ser humano, como parte integrante da Criação, deve também ser visto como parte da questão ambiental, assim, aspectos que se referem à saúde individual e da coletividade, também precisam ser consideradas como parte da questão ambiental. O cuidado do ambiente, envolve o estabelecimento de práticas institucionais de garantia ao bem-estar das pessoas em todas as dimensões.

Em quinto lugar, é imprescindível se compreender que apenas através de um estilo de vida marcado pela simplicidade e mais próximos aos ideais divinos é que se pode conseguir um respeito a Criação divina.  O reconhecimento de que a maior parte do consumo contemporâneo é insustentável e estimula o egoísmo leva a busca por um ideal de simplicidade e fuga ao artificialismo da sociedade.

Por fim, espera-se que o UNASP tenha sempre em todas as suas decisões acadêmicas e administrativas a visão de que o compromisso ambiental é parte integrante da primeira mensagem angélica, que relembra a origem divina do mundo. Assim, em todas as suas ações essa dimensão precisa ser reconhecida como uma expressão de sua identidade evangélica.