Links que valem o click #33

Para começar a semana de uma maneira mais gostosa, criativa e divertida separamos alguns dos nossos links favoritos para compartilhar com vocês.

1-) Como crianças reagem quando adultos deixam cair suas carteiras

Não é raro nos depararmos com pessoas que perderam a carteira por acidente, inclusive nós provavelmente já passamos por situações em que gostaríamos que alguém honesto nos ajudasse. Infelizmente nem sempre podemos contar com a honestidade das pessoas. E é sobre isso que fala o vídeo abaixo, feito pela Japanese Red Cross Society como parte da campanha Cross Now!, que tem como objetivo aumentar a consciência sobre nossas interações com as outras pessoas. Nas cenas abaixo, um desconhecido deixa sua carteira cair acidentalmente ao lado das crianças – e a reação delas pode restaurar sua fé na humanidade. (via Hypeness)

red5

2-) Um projeto que já alimentou 1,6 milhões de brasileiros!

Já ouvimos diversas vezes que grande parte dos problemas, como fome, miséria, doença e educação poderiam ser minimizados com a melhor distribuição dos recursos do planeta. Falta organização e vontade de colocarmos a mão na massa para buscar soluções inteligentes. Felizmente há projetos como o Banco de Alimentos de Santos, uma nobre iniciativa que busca resgatar em feiras e centrais de abastecimento de Santos (SP) alimentos que, apesar de serem próprios para o consumo, acabam na lixeira e doá-los a moradores em comunidades carentes. Conheça mais do projeto clicando aqui.

banco-alimentos1

3-) Fotógrafa viaja para fotografar as árvores mais velhas do mundo

Donas de uma beleza única, imponentes e notáveis, as árvores africanas são o fascínio da fotógrafa talentosa Beth Moon, que há 14 anos dedica seu trabalho e seu tempo para registrá-las. Na série Diamond Nights (“Noites de Diamante”, em tradução livre), a agradável surpresa de um céu estrelado surge para fazer cenário a estas árvores antigas, formando paisagens espetaculares.

Beth viajou para o continente africano e contou com a ajuda de um guia para encontrar os novos pontos de fotos, marcando-os com pedras, assim poderia retornar à noite para clicar as imagens. Através da técnica de exposição de 30 segundos, capturou as estrelas e as árvores de forma mágica, quase surreal. Nosso relacionamento com a vida selvagem sempre teve um papel importante no meu trabalho. Essa série foi inspirada por dois estudos científicos fascinantes que conectam o crescimento das árvores com o movimento celeste e os ciclos austrais”, escreveu em seu site. Veja mais fotos no site Nômades Digitais, clicando aqui. 

bethmoon

4-) Idosos artistas de rua!

Alguns idosos mostram que velhice não é sinônimo de fraqueza e falta de capacidade. Muitos são ativos, se exercitam, acessam a internet, fazem aula de danças e até participam de projetos destreet art. Pois é, o “Lata 65”, uma organização sem fins lucrativos, em Portugal, realiza oficinas e ensina técnicas de arte de rua para a terceira idade.

Os alunos aprendem sobre a história da arte de rua, fazem seus próprios stencils e cobrem com grafites os muros da capital Lisboa, onde o projeto acontece. Os participantes são acompanhados por artistas e de renome e podem escolher suas próprias marcas. Luísa, uma das integrantes, assina com “Armando” em homenagem ao seu marido falecido.

O grupo espalha  seus trabalhos pelos murais dos bairros, dando mais cor e levando vida aos locais degradados e abandonados da cidade. O objetivo do Lata 65 é eliminar os “clichês” sobre a arte de rua e ampliar os adeptos ao grafitti. Veja mais fotos aqui (via Hypeness)

idoso-01

5-) Escola na Itália dá bônus para alunos que vão de bike para as aulas 

O programa Bike Control partiu do meninoLorenzo Catalli, que há um ano estava terminando seu período na escola de ensino médio Liceu Antonio Meucci e se questionou, nas viagens de carro com seu pai e por entre horas de trânsito, como seria mais simples se todos pudessem dispensar o automóvel. Em conjunto com o pai, Lorenzo criou um dispositivo que se fixa na bike e permite verificar data, horário e distância do percurso realizado, além de calcular a quantidade de emissão de gás carbônico que foi evitada através da ação de trocar o carro pela magrela, ideia com apoio daUniversidad La Sapienza, em Roma. O próprio Lorenzo sempre foi para a escola de carro, antes de ter essa ideia de reverter as pedaladas em notas no sistema de avaliação, entrando dentro de atividades extracurriculares. Os pontos são acumulados somente com o mínimo de frequência de três ou quatro vezes por semana indo de bicicleta para a instituição.

BiciAsprilia2