Perca um livro

Se você encontrar um livro “perdido” ou “esquecido” em algum lugar público do mundo, fique atento, pois a resposta pode estar na campanha intitulada “Perca um Livro”.

livro-esquecido-no-banco

Pode parecer estranho, mas é uma ideia que tem o objetivo principal de libertar exemplares para que este encontre novos leitores, fazendo com que uma obra seja lida por muitos. Esse projeto não é novo, surgiu em 2001 nos Estados Unidos, intitulado BookCrossing, com o objetivo de  fazer do mundo uma biblioteca. Para ter um certo controle do projeto, os ‘perdedores de livros’ devem cadastrar a obra no site e é gerado  um código, para que assim, seja possível rastrea-lo por onde passa e saber quantas pessoas estão aproveitando a leitura. A rede virtual conta com mais de 669 mil participantes e mais de 4 milhões de livros catalogados.

Agora, essa ideia chegou ao Brasil com a editora Zeis, e quem encontrar um exemplar deve cadastra-lo no site e indicar onde está. A iniciativa não é somente uma ação de marketing, a pretensão é estimular a leitura no Brasil todo, uma vez que não está na nossa cultura o hábito intensivo da leitura. Para participar é simples, é só cadastrar o livro que você já leu no site, que automaticamente vai gerar um código que permite o acompanhamento da obra.

Está aí uma campanha que os adventistas podem e devem apoiar. Que tal nós também “perdermos” ou “esquecermos” livros missionários por aí? No ano de 2013 trabalhamos na divulgação do livro A Única Esperança, escrito pelo Pr. Alejandro Bullón, nessa campanha foi separado um dia exclusivo para a distribuição da obra. Porém, nada impede de começarmos a esquecer outros livros nos demais dias, que podem ajudar outras pessoas a conhecer melhor esse Deus maravilhoso, criador dos céus e terra, e capaz de nos amar incondicionalmente, a ponto de dar seu único filho para morrer por nós (João 3:16).

Perca um livro, pois além de promover a cultura e o bom hábito da leitura no nosso país, com certeza você poderá ter surpresas aqui e na eternidade.

Fonte: Retratos e Relatos, Criacionismo