Gripe H1N1- Como diagnosticar, prevenir e tratar?

A gripe H1N1 é uma doença causada por uma mutação do vírus da gripe. Também conhecida como gripe Influenza tipo A ou gripe suína. Existem 3 tipos de vírus influenza: A, B e C. O vírus influenza C causa apenas infecções respiratórias brandas, não possui impacto na saúde pública e não está relacionado com epidemias. O vírus influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável pelas grandes pandemias.

O vírus se disseminou pelo mundo em 2009, causando uma pandemia mundial – até o ano seguinte, 19 mil pessoas morreram segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Nesse ano de 2016 já foram confirmadas pelo Ministério da Saúde, até o dia 9 de abril, 153 mortes por H1N1 em todo o país. Por ser uma doença que dissemina principalmente no inverno a Gripe H1N1 chegou cedo aqui no país. Por isso, é muito importante tomar certos cuidados desde agora.

H1N1-01

Quais são as causas e tipo de transmissões?

A transmissão ocorre da mesma forma que a gripe comum. Após ser infectada pelo vírus uma pessoa pode demorar de um a quatro dias para apresentar os sintomas da doença. E pode demorar de um a sete dias para transmiti-lo a outras pessoas.

H1N1-02

Para confirmar a doença é necessário um diagnóstico médico, mas os principais sintomas são muito parecidos com a gripe comum, como: febre, tosse, dor de garganta, calafrios e dores pelo corpo.

Dor local: músculos
No aparelho gastrointestinal: diarreia, náusea ou vômito No corpo: febre, calafrios ou fadiga
No nariz: congestão, nariz escorrendo ou espirros e falta de ar.

H1N1 SINTOMAS-04

Para prevenir o contágio a gripe H1N1 segue as mesmas diretrizes da prevenção de qualquer tipo de gripe, só que o cuidado deve ser redobrado:

– Evite manter contato muito próximo com uma pessoa que esteja infectada

– Lave sempre as mãos com água e sabão e evite levar as mãos ao rosto e, principalmente, à boca

– Leve sempre um frasco com álcool-gel para garantir que as mãos sempre estejam esterilizadas

– Mantenha hábitos saudáveis. Alimente-se bem e coma bastante verduras e frutas. Beba bastante água

– Não compartilhe utensílios de uso pessoal, como toalhas, copos, talheres e travesseiros

– Se achar necessário, utilize uma máscara para proteger-se de gotículas infectadas que possam estar no ar

– Evite frequentar locais fechados ou com muitas pessoas

– Verifique com um médico se há necessidade de tomar a vacina que já está disponível contra a gripe H1N1.

H1N1-05

A maioria dos casos de gripe H1N1 foram sanados completamente sem a necessidade de internação hospitalar ou do uso de antivirais. Em alguns casos, no entanto, o uso de medicamentos e a observação clínica são necessários para garantir a recuperação do paciente.

H1N1-06

O Ministério da Saúde considera fatores de risco para complicação, com indicação de tratamento, tais casos como:

– Grávidas em qualquer idade gestacional;

– Puérperas até duas semanas após o parto (incluindo as que tiveram aborto ou perda fetal);

– Adultos com mais de 60 anos;

– Crianças com menos de 2 anos;

– População indígena;

– Pneumopatias (incluindo asma); Cardiovasculopatias (excluindo hipertensão arterial sistêmica); Nefropatias; Hepatopatias;

– Doenças hematológicas (incluindo anemia falciforme);

– Distúrbios metabólicos (incluindo diabetes mellitus descompensado);

– Transtornos neurológicos que podem comprometer a função respiratória ou aumentar o risco de aspiração (disfunção cognitiva, lesões medulares, epilepsia, paralisia cerebral, Síndrome de Down, atraso de desenvolvimento, AVC ou doenças neuromusculares);

– Imunossupressão (incluindo medicamentosa ou pelo vírus da imunodeficiência humana);

– Obesidade;

– Indivíduos menores de 19 anos de idade em uso prolongado com ácido acetilsalicílico (risco de Síndrome de Reye).

H1N1-07

Orientações

– Indivíduos que apresentem sintomas de gripe devem:

– Evitar sair de casa em período de transmissão da doença (até 7 dias após o início dos sintomas);

– Restringir ambiente de trabalho para evitar disseminação;

– Evitar aglomerações e ambientes fechados, procurando manter os ambientes ventilados;

– Adotar hábitos saudáveis, como alimentação balanceada e ingestão de líquidos;

Fonte: Portal da Saúde